(11) 96403-7620 (11) 4622-2996 (11) 94779-0308 (11) 99577-5012
Índice de recuperação de dependentes químicos

Índice de recuperação de dependentes químicos


O nosso país tem mais de 8 milhões de dependentes químicos, ou seja, pouco mais de 5% de toda a população. E, para cada um deles, existem pelo menos quatro pessoas afetadas de alguma forma pela dependência.

Nesse post, vamos falar sobre as estatísticas, tratamento e possibilidades de recuperação de uma pessoa com dependência química.

O que são dependentes químicos?

É uma pessoa que faz uso de determinada substância química de uma forma impulsiva e contínua para aliviar sensações desconfortáveis e obter prazer e bem-estar, ainda que saiba que tal substância lhe traz grandes prejuízos.

O uso é feito de forma inconsequente, onde a pessoa perde a noção do que faz mal e o que faz bem a saúde.

Os sintomas da dependência química são variados e surgem com mudanças no comportamento, na saúde física, na forma de pensar e nas atitudes. Os sinais de que algo pode estar errado aparecem em todas as áreas da vida. Veja alguns:

Problemas financeiros;

Desonestidade,

Negligência;

Depressão;

Ansiedades;

Irritabilidade;

Frustração;

Euforia;

Mudanças de amizades e atividades;

Diminuição de rendimento no trabalho ou estudos;

Falta de motivação;

Mudanças bruscas de humor;

Compulsão;

Manipulação;

 

Existem diversas substâncias que podem causar dependência química. Entre elas estão:

 

Maconha;

Cocaína;

Ecstasy;

Esteroides anabolizantes;

Anfetaminas;

Ansiolíticos;

LSD;

Tabaco;

Anticolinérgicos;

Álcool;

Opiáceos.

O que dizem as estatísticas?

Uma pesquisa divulgada pelo site G1 mostrou que aproximadamente 28 milhões de pessoas têm um familiar afetado pelo vício e que este número vem crescendo devido a diversos fatores.

Ela também mostrou a maioria das pessoas que estão em tratamento usava mais de uma droga, principalmente a maconha combinada com outras substâncias. Diferentemente do que a maioria das pessoas pensa, o sofrimento da família se estende por muitos anos.

Para se ter uma ideia, a média de uso é de 13 anos e a de ciência dos entes queridos, quase 9 anos. Depois que a família passa a saber, são em média mais 3 anos para que os entes queridos consigam fazer com que o dependente busque tratamento.

As mudanças de comportamento foram o que mais levou a família a suspeitar de que algo estava errado: foram aproximadamente 45% dos casos. Tudo isso é para que você perceba que infelizmente se trata de um problema mais comum do que se possa imaginar.

Não há estatísticas muito confiáveis quanto à recuperação de dependentes químicos. Isso porque nem todas as pessoas que saem das clínicas de recuperação conseguem se manter afastadas do vício. Algumas comunidades terapêuticas afirmam recuperar entre 40 e 80% dos viciados, mas não há estudo comprovado sobre esses números.

A dependência é uma doença que requer tratamento durante toda a vida, por meio de terapias que possam ajudar a pessoa a se manter firme em sua luta contra a adicção.

A terapia é necessária para que o dependente não sofra recaídas, que tendem a ser piores do que a primeira vez que ele se vicia.

A recaída pode acontecer quando o dependente químico volta a utilizar a substância novamente, ou troca o tipo de dependência, por exemplo, a droga por álcool. É a volta do consumo que a pessoa tinha antes do tratamento, e os antigos comportamentos retornam e ocorre a perda do controle da situação novamente.

 

O tratamento

Há diversos tipos de tratamento para dependentes químicos, e exige combinação de intervenções para que a terapia seja direcionada conforme o perfil e a necessidade de cada pessoa.

O perfil do usuário de drogas no Brasil diz que esse problema afeta pessoas entre 12 e 65 anos. Cada usuário estabelece uma relação diferente com cada substância, apresentando necessidades diferentes, e também variando no tipo de drogas para alcançar o efeito desejado.

As principais dificuldades para a busca de uma orientação especializada são a negação da doença, falta de apoio da família e amigos, ou da família que nao sabe como ajudar o dependente químico ou desconhecem a existência de clínicas e tratamentos especializados.

Compreender os motivos, os efeitos que a droga causa no organismo e também o grau da dependência são essenciais para se conseguir o tratamento correto.

 

Desintoxicação

A desintoxicação é o primeiro passo a ser dado para a pessoa que quer se tratar. Esse processo também influencia a estabilidade emocional do dependente químico, visto que as próximas etapas só poderão ser concluídas se houver uma nova postura e comportamentos saudáveis vindo deste.

É a etapa considerada mais critica, pois o paciente recebe assistência médica durante um período de tempo para eliminação das drogas do seu organismo.

Geralmente o uso de medicamentos é feito em conjunto com a psicoterapia.

A intenção da desintoxicação é provocar um choque no organismo, onde vão aparecer os sintomas da abstinência, e que provavelmente podem gerar mudanças no comportamento do paciente.

No início ele pode ficar mais agressivo por conta do desespero da falta que seu corpo sente da droga.

A desintoxicação é um processo desgastante e complexo, por isso deve ser supervisionada por uma equipe especializada e pronta para lidar com qualquer situação dessa fase.

As terapias combinadas são focadas na reversão dos prejuízos psicológicos e fisiológicos e pode durar entre 20 a 45 dias.

Após esse período, o tratamento é focado nas questões mais emocionais, com objetivo de trabalhar a conscientização do paciente, para que ele não caia na realidade de forma brusca, e entre em depressão.

O tratamento psicoterapêutico envolve uma combinação de terapias e medicamentos. Esse tratamento deve ser feito em uma clínica especializada, com uma equipe composta por médicos, psiquiatra, psicólogos entre outros.

Os medicamentos têm que ser escolhidos com critério e monitorados por uma equipe responsável, para que o dependente químico não abuse dos medicamentos, a fim de sustentar novamente o vicio ou querer prejudicar a própria saúde.

Em muitas vezes, é necessário prescrever analgésicos para reduzir dor de cabeça e dores no corpo que surgem durante a desintoxicação. As crises de ansiedade também podem gerar irritabilidade e mau humor.

Grande parte das drogas ingeridas são psicoativas ou psicotrópicas, ou seja, causam alterações no sistema central.

O uso dessas substancias compromete as funções do corpo, podendo causar danos irreversíveis ao organismo.

A clínica de recuperação deve oferecer um tratamento humanizado e individualizado nessa fase, com respaldo em protocolos científicos.

A desintoxicação depende de uma serie de fatores, e conta muito com o grau de comprometimento do paciente.

 

Internação

No caso de internação em uma clínica especializada, é importante que o dependente químico receba todo suporte necessário para se livrar do vicio. O interessante na internação é que a pessoa sai do ambiente e não tem mais contato com pessoas que utilizam as mesmas drogas.

A internação pode ser voluntária, involuntária ou compulsória.

Na internação voluntária, o usuário de drogas consente e entende que precisa de ajuda, e ele mesmo tem a iniciativa de se internar em uma clínica de recuperação. Na maioria dos casos, ele solicita sua internação voluntariamente, e inicia as etapas de desintoxicação e terapia.

Familiares, o responsável legal, ou médicos especialistas podem solicitar a internação involuntária de um paciente, mesmo sem o consentimento do mesmo. Nesses casos, o usuário não compreende o risco que está trazendo para si mesmo e para outras pessoas, e assim, precisa de uma intervenção para que se trate.

Já no caso de uma internação compulsória, essa deve ser solicitada e determinada pela Justiça, median


Blog

Quais as consequências da dependência química

Quais as consequências da dependência química

A dependência química gera problemas para o individuo que não consegue parar de consumir substâncias que fazem mal ao organismo

Alcoólatras: Tipos de tratamentos e clínicas de recuperação

Alcoólatras: Tipos de tratamentos e clínicas de recuperação

O alcoolismo é um problema grave que preocupa a saúde publica, pois o vicio em álcool é uma doença séria, e não deve ser rotulado como um probl

Dependência química: tipos, sintomas e melhores tratamentos

Dependência química: tipos, sintomas e melhores tratamentos

A pessoa que sofre de dependência química tem uma necessidade incontrolável de usar um tipo de substancia, utilizando de forma compulsiva, e acaba

Internação involuntária para o tratamento do crack

Internação involuntária para o tratamento do crack

O vicio no crack é um dos mais preocupantes, pois compromete o ato de comer, beber e dormir. Mesmo no início do uso, as alterações físicas e comp